Mongaguá – Motorista arrasta GCM no asfalto por 100M em uma força tarefa na cidade

Guarda foi arrastado por 100 metros em Mongaguá, no litoral de São Paulo.
Agente ficou ferido: ‘Cai no chão e ele jogou o carro para me atropelar.


Um guarda municipal foi arrastado por um carro na contramão, por cerca de 100 metros, em uma avenida de Mongaguá, no litoral de São Paulo. Os jovens que estavam dentro do veículo haviam sido abordados pela Guarda Municipal durante uma força-tarefa. Após o episódio, o agente ficou com ferimentos no rosto e nos braços e precisou ser encaminhado ao hospital.

A Guarda Municipal atuava em uma força-tarefa, em conjunto com a Polícia Militar e agentes de trânsito, no cruzamento das avenidas Governador Mario Covas Junior e Dom Pedro I, no bairro Plataforma Mongaguá, no último sábado (10).

Segundo a GM, um veículo preto parou no meio da avenida, bloqueando o trânsito. Os guardas municipais viram que os passageiros tentavam conversar com garotas que passavam pela rua e estavam impedindo o trânsito. Por isso, os guardas pediram para o motorista sair do local e anotaram a placa do veículo. O condutor questionou a atitude do guarda, mas resolveu seguir em frente. Alguns minutos depois, o mesmo carro preto voltou.

“Ele parou o carro próximo a viatura e perguntou o motivo da multa. Eles acharam que eu havia multado. Os guardas mandaram ele encostar e descer do carro. Eu encostei perto da janela do motorista e comecei a gesticular com a mão direita. Ele puxou a minha mão para dentro do carro e mandou o passageiro me segurar. Ele saiu acelerando”, conta o guarda municipal Jurandir Felix, de 45 anos.

Sem conseguir se defender, o guarda foi arrastado por cerca de 100 metros, na contramão. Os homens jogaram o agente para fora do carro, com o veículo em movimento, e ainda tentaram atropelar o guarda municipal.

Avenida Mário Covas Jr., em Mongaguá (Foto: Divulgação/Prefeitura de Mongaguá)“Eu fiquei com o corpo para fora e com o braço direito para dentro. Ele deu um soco no meu rosto. Ele falava para o passageiro me soltar porque queria me atropelar. Eu cai no chão e ele jogou o carro em cima de mim. Se eu não tivesse rolado para o lado, eu tinha sido atropelado”, conta ele.

O grupo também tentou puxar outro guarda municipal para dentro do carro, da mesma forma que ocorreu com Felix, mas o agente conseguiu se soltar. Já um terceiro guarda também foi derrubado pelo grupo na hora em que os criminosos aceleraram o carro. Após o episódio, o grupo fugiu. Como a placa do veículo foi anotada, a Guarda Municipal já tem alguns suspeitos de terem cometido o crime. A princípio, cinco pessoas estariam dentro do carro. Por enquanto, ninguém foi preso.

Já Felix ficou com graves ferimentos nos braços e também no rosto, além de dor de cabeça causada pela queda no chão. Ele está afastado do trabalho por questões de saúde, mas pretende voltar à função. “A gente ama a guarda. Amamos muito o serviço que a gente faz. Quando eu cai no chão, os moradores se preocuparam. A população nos valoriza”, finaliza.

Em contato com o G1, a Prefeitura de Mongaguá diz que o Guarda Municipal foi socorrido e encaminhado ao Pronto Socorro Agenor de Campos com escoriações nos braços e na testa. O guarda deverá passar por uma perícia ainda nesta terça-feira (13).

Fonte: G1

Deixe Seu Comentário !

Comentários



Parabéns por ser visitante do Uola. Nosso intuito é informar com o melhor conteúdo todos os assuntos que nosso leitor realmente deseja ler, por isso, sua sugestão para pautas será sempre bem vinda.