Praia Grande – Assaltante de banco é executado com 6 tiros em vila caiçara

Condenado a 19 anos de prisão, havia saído no dia dos pais

Um dos principais assaltantes de banco do Estado, condenado a mais de 19 anos de reclusão, foi executado por desconhecidos com pelo menos seis tiros no início da tarde desta terça-feira (11), em Praia Grande.

Além de ser cometido em plena luz do dia, o crime ocorreu em área turística, na Rua Flausina de Oliveira Rosa, a 20 metros da orla da praia da Vila Caiçara, altura do quiosque 109.

Rodrigo Figueiredo Pereira, o Sasquat, de 33 anos, não teve qualquer chance de defesa e foi baleado na cabeça, no peito, no queixo e no ombro. O disparo do queixo saiu pela garganta.

Os assassinos fugiram e não foram identificados. Eles agiram como se tivessem certeza de que não cruzariam com uma viatura policial antes, durante e, principalmente, depois do crime.

Levantamentos preliminares apontam que os matadores estariam em três veículos: um Fiat Punto preto, um Hyundai Azera de cor escura e uma moto vermelha.

Sasquat chegou a ser levado em uma ambulância do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Samambaia, mas morreu durante o trajeto.

O delegado Marcos Roberto da Silva, do 2º DP de Praia Grande (Vila Caiçara), compareceu ao local do homicídio com a sua equipe e deu início às investigações.

Os policiais civis apuraram que a vítima chegou ao local da execução junto com os matadores em um dos dois automóveis. O ocupante da moto vermelha também integraria o grupo e teria sido o autor dos disparos.

Para o delegado, a principal hipótese é de que Sasquat tenha sido executado por parceiros de crime. Para a identificação dos assassinos, imagens de câmeras de segurança serão analisadas. A expectativa é a de que eles tenham filmado as placas dos veículos do bando.

Saída temporária

Desde que foi condenado, Sasquat passou por diversos estabelecimentos prisionais. Atualmente, cumpria a pena em regime semiaberto no Centro de Progressão Penitenciária (CPP) Dr. Rubens Aleixo Sendin, em Mongaguá.

Na última semana, ele foi contemplado com a saída temporária do Dia dos Pais e deveria retornar ao CPP de Mongaguá até hoje, para não ser considerado foragido. Concedido pela Justiça, o benefício está previsto na Lei de Execução Penal.

Quando o marginal foi preso com comparsas em julho de 2008, o delegado Ruy Ferraz Fontes, na época do Departamento de Investigações Criminais (Deic), apontou a quadrilha como a principal de roubos a banco do Estado, com cerca de 30 assaltos.

Fonte; A tribuna

Deixe Seu Comentário !

Comentários



Parabéns por ser visitante do Uola. Nosso intuito é informar com o melhor conteúdo todos os assuntos que nosso leitor realmente deseja ler, por isso, sua sugestão para pautas será sempre bem vinda.